segunda-feira, 16 de abril de 2012

Paredão DPNN: Homofobia ou Machismo?


Uma das questões mais comentadas no universo gay, como vocês sabem, é a da homofobia. Tão comentada que a gente aqui do blog costuma brincar e chamar de homofobismo, pois acaba quase se tornando uma obsessão. Resolvemos escrever este post para colocar nossa interpretação do assunto, até porque a gente acha que nossa opinião não ficou muito clara. É a nossa, aceite quem quiser, se quiser. 

Em primeiro lugar, a gente não acredita na homofobia como um tipo de preconceito autônomo, específico e que goze de uma existência própria, como normalmente o tema é tratado. Calma, se controle aí que a gente já explica! Para esta dupla que vos fala escreve, homofobia é apenas mais uma expressão de uma velha e terrível doença que assola a humanidade: o machismo.  

Não é uma questão ideológica, é um caso de aplicação da lógica mesmo. Vamos lá. Podemos ver o machismo como uma moeda: ele tem duas faces, uma que se volta contra a mulher e outra que se volta contra o homem (independente de sua orientação sexual). Em que consiste basicamente o machismo? Na crença de que existe um modo verdadeiro de ser (e parecer) homem ou mulher, e de que a masculinidade é um pressuposto de superioridade. Fica mais fácil de entender se aplicarmos a questão a uma prova de lógica. 

O machismo se baseia em dois pontos: ser e parecer. Em termos semióticos, diríamos que o sentido do machismo surge da tensão entre as modalidades veridictórias, da imanência (ser) x a manifestação (parecer) - traduzindo pro mundo real: o machismo se baseia na crença de que existe uma forma verdadeira de ser e parecer tanto para o homem quanto para a mulher. Tudo aquilo que desafia este modelo vai ser visto como falso, portanto, errado. Homem e mulher "verdadeiros" serão aqueles que "são e parecem" homens e mulheres. Um homem (ou mulher) que é, mas não parece, tem algo de errado... Não basta ser, tem de parecer também. O mesmo a respeito do que parece, mas não é. Já quem não é e não parece vai ser visto de cara como errado. 

Vejamos os casos que chamamos de homofóbicos sob o prisma do machismo: será que um homem heterossexual que odeia gays está manifestando um ódio específico contra homossexuais ou está apenas demonstrando seu velho machismo? Ele odeia o gay em si ou o fato do gay ir contra o “ser” e o “parecer” que formam a imagem introjetada do modelo de homem ideal?

Se a gente pensar um pouco mais vai ver que o discurso homofóbico se baseia mais em querer corrigir o gay (para ele virar um homem de “verdade”) do que para eliminá-lo da face da terra, não? Um homofóbico que espanca um gay o faz muito mais para passar a mensagem aos demais gays ("sejam e pareçam homens de verdade") do que para agredir aquela vítima específica. Um cara que dá uma lampadada na cabeça de um outro que “aparenta ser gay” não estaria manifestando justamente seu desacordo com o que ele considera uma agressão à sua visão idealizada de como deve ser um homem “de verdade”? Uma turma que agride um pai que caminha abraçado ao filho não está querendo mostrar que "homem de verdade" não anda por aí "agarrado a outro macho"? 

Outro argumento: quantos homens homofóbicos batem em lésbicas? Se ele tivesse algo contra a homossexualidade em si, não faria diferença de o objeto do ódio é um homem ou uma mulher, ou faria? Quantos desses mesmos caras se excitam com a imagem de duas mulheres (desde que femininas, é claro) se beijando ou transando? Não duvidaria se a resposta fosse algo próximo de 99%...

Um dos maiores erros da militância gay, a nosso ver, é não perceber isso (ou não querer ver isso, o que é ainda pior) e insistir em ideologizar a questão da homofobia. Não seria muito mais efetivo (e inteligente) lutar contra o machismo em si, já que ele é a causa e a homofobia apenas um sintoma?

A verdade é que todos nós somos machistas, a questão acaba sendo mesmo seu  grau. Todos fomos criados para aceitar o machismo como natural e reproduzi-lo.  Meses atrás, quando o BBB estava no ar, as maiores críticas que apareciam na internet eram de que o programa só mostrava baixaria. O que as pessoas queriam dizer com isso: que o programa mostrava mulheres exercendo sua sexualidade. 1999% das críticas e comentários que alguns amigos colocavam no Facebook tinham um teor de reprovação ao comportamento das mulheres do reality show. E em 5000% eram críticas machistas, mesmo que a pessoa não se desse conta do fato. Por que um participante do sexo masculino pode ficar com três garotas, mas uma garota não pode transar com três caras? Há algum argumento que sustente esta tese que não seja o machismo?

É o machismo que faz com que os próprios gays considerem que um gay “mais masculino” é melhor que os homossexuais mais afeminados (sim, afeminados). É o machismo que faz com que a gente atribua aos traços culturalmente relacionados à masculinidade um errôneo estatuto de superioridade “natural”. Em tempo: não estamos falando de atração sexual - ou também estamos? Sei lá, Freud explica...

Lutar contra o machismo é algo que produz efeitos na sociedade como um todo: vai fazer bem às mulheres, aos gays e até aos homens heterossexuais! Quantos homens heterossexuais não são vítimas do machismo? Vejam só: basta o cara ser educado, se preocupar com a aparência, ter o mínimo de bons modos ou manifestar uma dose de sensibilidade que o diferencie de um orangotango e ele logo vai ser chamado (por outros homens e até por muitas mulheres) de... viado! Coincidência? Cremos que não.

Portanto, da próxima vez que você for, egoisticamente, reclamar da homofobia que vitima os gays, pense um pouco mais e reclame do verdadeiro vilão desta história: é o machismo que está por trás de tudo isso, e que vai continuar a fazer suas vítimas em pessoas de todas as orientações sexuais. Que tal começar combatendo o machismo em você mesmo? E se a gente começasse a pensar em combater a doença, e não apenas seus sintomas? 

Boa semana para todos vocês. Assim que possível a gente dá as caras por aqui.  
 .

6 Comentários:

FOXX disse...

vc realmente não conhece nenhum grupo militante não é? esse trecho, "Não seria muito mais efetivo (e inteligente) lutar contra o machismo em si, já que ele é a causa e a homofobia apenas um sintoma?", prova isso, todos os programas de educação que envolvem homofobia promovidos por ongs LGBT são voltados exatamente para o machismo, fazem exatamente isso q vc está dizendo ai pra se fazer, vcs realmente estão atirando contra uma militância invisível que simplesmente não existe, um fantasma que vcs criaram de uma militância inútil, minha pergunta é pra q? das duas uma, ou os grupos q eu participei são imensas exceções no mundo da militância, ou vcs estão completamente errados sobre ela.

Anônimo disse...

Ótimo texto!! Tenho que dizer que o blog é excepcionalmente inteligente. Vocês discorrem sobre temas incríveis. Admito que, sempre que leio um texto como esse que argumenta bravamente e coerentemente sobre qualquer que seja o tema, eu passo a ver a situação explanada de outro modo. Vocês deveriam trabalhar em um jornal ou no mínimo escrever um livro sobre sociologia. Sim, porque o ângulo que o blog retrata certos temas é impressionante. Parabéns ao blog e parabéns a vocês! ^^

Anônimo disse...

A exemplo do big brother eu tbm fiquei pensando, todas as mulheres da minha chamaram a participante q pegava todos os homens de safada/putinha/piriguete e nenhum palavra sobre os homens. Homens que pegam várias=garanhão/mulher q pega vários=puta. Mas o mais engraçado é que estas mulheres quando não conseguem pegar um cara/ou o cara não as quer logo o taxam de viado - como pode ser visto no próprio big brother em relação ao Jonas. Então eu faço a minha parte contra o machismo, não chamando estas mulheres sexualmete para frente de puta, mas se as mulheres tbm não fizerem a delas, sinto muita pena delas que continuarão recebendo menos que os homens no trabalho.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Muito interessante esta contextualização q vocês sustentam ... bastante coerente e lógica.
O problema q eu tenho com militâncias, sejam elas quais forem, é exatamente esta de usar a coisa de forma ideológica e, o pior, sempre voltado para um sentido corporativista e pessoal ... todas elas [militâncias] caminham para o seu próprio objetivo imediatista e político ... não é à toa q todas elas se sustentam em bases partidárias.

bjão

Raphael Martins disse...

Cada vez mais há pessoas que pensam como vcs. s gays estão cada vez mais informados. Abcs.

Margot disse...

Concordo com a maneira como voces definem a homofobia, mas acrescento que, do meu ponto de vista, os héteros homofóbicos carregam consigo também um tanto de covardia, no sentido de não assumir o que querem(homo)e um tantão de inveja convertida em fobia(medo), de que outras pessoas "vejam ou pensem" que eles também querem um relacionamento igual ou parecido. Ai tudo resulta numa violência fisica, moral e emocional.
Posso estar errada... mas é como vejo a coisa. Abraços.

Postar um comentário

BLOG ENCERRADO!

We Love It:

We Love It:

Seguidores:

DPNN no Facebook

Twitter:

  ©Dois Perdidos Na Noite - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo