terça-feira, 5 de junho de 2012

Paredão DPNN: Parada do Orgulho Gay



Domingão tem a Parada do Orgulho Gay (vamos chamá-la assim – veja post anterior), e nada melhor do que a gente aproveitar para discutir o evento aqui no blog.

Em primeiro lugar, como já escrevemos em outros momentos, temos um sério problema com o termo “orgulho”. Tradução direta da palavra “pride”, em inglês, acaba gerando um discurso um tanto quanto problemático. Orgulho, em português, possui duas acepções básicas que não se adequam ao que se pretende com a expressão “Orgulho Gay”. O primeiro sentido é positivo, o de reconhecer o próprio mérito (ou o de outrem) por algo feito. Por exemplo: ter orgulho de um trabalho bem realizado, ter orgulho do filho passar no vestibular etc. O segundo sentido é negativo: orgulho como manifestação de soberba, o vício de excesso de autoestima. Como podemos ver, não faz sentido falar em orgulho gay: não há mérito algum em ser gay, é apenas uma condição involuntária. E, convenhamos, só na cabeça de um maluco se pode pensar que a Parada é para impor uma soberba, para mostrar que ser gay é melhor do que ser hétero.

O que está em jogo, com a expressão “Orgulho Gay”, é outra coisa., e a palavra não ajuda nada a explicar. O tal “orgulho”, aqui, é o que, na semiótica, a gente chama de “não-vergonha”, ou seja: a negação de um valor negativo. O que a Parada do Orgulho Gay visa é fazer com que os indivíduos homossexuais possam – mesmo que por apenas um dia – manifestar não apenas a aceitação da própria sexualidade, como demonstrar que não há motivo algum para ter vergonha dela. 

E o que a Parada Gay se transformou, nos últimos tempos? Numa espécie de “carnaval fora de época, com pessoas dançando nas ruas e totalmente alienadas de qualquer questão política”. Muitos gays fazem este tipo de colocação em relação à Parada, e maridão e eu percebemos alguns equívocos nesta análise. Se o objetivo da parada é promover o “orgulho gay”, no sentido de “não-vergonha” da própria condição sexual, o fato dela se transformar numa rave a céu aberto é um claro sinal, não de deturpação, mas de que os objetivos estão sendo alcançados. Se as pessoas se dispõem a ir a público celebrar a data, sem receio de demonstrar sua homossexualidade de forma aberta e tão alegre, é sinal de que não estão envergonhadas, clara manifestação de “orgulho gay”, não?

Pô, mas tem um pessoal que exagera na vulgaridade!”. Concordamos, é claro. Mas vamos combater a causa real disso: falta de noção de civilidade. São pessoas que não sabem perceber que a vida em sociedade possui limites norteadores e que não podemos fazer o que quisermos, onde quisermos, na hora em que quisermos: há um limite entre a esfera pública e a privada – e ele vale para todos, independente da orientação sexual. Quem acha que tem direito de sair pelado na rua, de fazer sexo a céu aberto e coisas do gênero está cometendo, convenhamos, um crime: atentado violento ao pudor. O fato de ser gay ou hétero não faz diferença. 

Mas esses gays da Parada queimam o filme dos gays normais.” Neste ponto a gente discorda totalmente! Infelizmente o marxismo militante conseguiu inventar algo que hoje passa por natural, e é a base desta afirmação: a mentira de que os gays constituem um tipo de “classe” e que a homossexualidade seria um elo ideológico entre os gays. Se a gente voltar no tempo, não existia essa noção de “os gays” como um grupo. Essa ideia foi criada, por motivos políticos, e muita gente reproduz preconceitos baseados nela. O fato de dois indivíduos serem homossexuais não faz com que eles compartilhem uma identidade. O que você, leitor, tem em comum comigo? Ou com o seu próprio namorado? Posso afirmar, com certeza, de que nem sobre “o que é ser gay” a gente pense a mesma coisa. Voltando à parada: as pessoas não estão ali representando as outras que ficaram em casa, elas estão ali representando a si mesmas, enquanto indivíduos. 

“Pô, mas as pessoas olham aquilo e pensam que todo gay é daquele jeito”. Convenhamos, novamente se está vendo o problema do lado errado: quem está enganado é quem generaliza um comportamento! Se eu vir um cara branco andando plantando bananeira na rua, eu não vou dizer que todos os homens brancos fazem isso, porque é ridículo generalizar o comportamento - e é ridículo falar em “classe dos homens brancos”. As pessoas só vão achar que “todo gay é assim” porque a gente insiste em afirmar o erro de que os gays são “uma classe”. 

"Então não é contraditório afirmar que uma Parada Gay tenha algum tipo de validade?" Não, se a gente passar a ver a questão sob uma outra ótica: ali estão alguns milhões (menos do que é divulgado, é verdade) de indivíduos manifestando – voluntariamente - sua individualidade. E quando a sociedade passa a ver os gays como pessoas individualizadas, só temos a ganhar.

Não custa lembrar: a participação na Parada é de livre iniciativa individual, ninguém é forçado a ir. E você tem todo o direito de não se sentir representado pelas pessoas ali presentes, é claro. Pode até se identificar ou não, só não vale querer enfiar todos ali num grande armário.

7 Comentários:

Anônimo disse...

"O que você, leitor, tem em comum comigo? Ou com o seu próprio namorado? Posso afirmar, com certeza, de que nem sobre “o que é ser gay” a gente pense a mesma coisa." Concordo com você que não somos um classe, somos indivíduos, concordo também com o que vc disse um vez que a categoria "gay" é usada para definir várias coisas diferentes entre ela. Mas no caso, por isso que gosto da identificação GAY, pq emgloba pessoas diferentes sobre um mesmo guarda chuva. Não importa o tao diferente eu seja de um travesti/transexual, eu não vou me importar de compartilharmos a definição GAY. A identidade (não as pessoas) gay segrega menos(acho) do que a hetero.
Não sei se entendeu, mas...
Abraços e boa gay pride se vcs forem

E ヅ disse...

Concordo com tudo que você disse mas gosto muito do pensamento "anônimo". Um pouco utópico, é verdade, achar que todos somos "irmãos" debaixo da saia "GAY". Mas de repente é mirando na utopia que consigamos (em parte, ao menos) alcançá-la.

DPNN disse...

Concordo com vocês, por isso que eu sempre insisti que o mote da Parada Gay tinha de ser sempre o respeito à DIVERSIDADE, e não a questão da igualdade (que não existe). Somos todos diferentes, e isso é que dá a graça à coisa.

Fred disse...

"Somos todos diferentes, e isso é que dá a graça à coisa."
Por favor, te divorcia e casa comigo???? Hahahahahaha!
Sou fã, tu sabes. E pode deixar que meu escravo vai ser bemmmmmmmmmm castigado pra aprender a não perder os convites das amigas-VIPS... hahahaha!
Bjz!

Cores da Crise de meia idade! disse...

I do HAVE to LIKE you!
A necessidade de classificação que o ser humano possui, seja hetero ou homo, pode trazer uma "ordem" necessária a existencia da civilização e , consequentemente, do conceito de civilidade! Porém essa mesma necessidade de classificação e ordenação tras em sí um aspecto sombrio tanto para homossexuais como heterossexuais: confinamento e restrição ao conceito de diversidade!
Temos muito a caminhar, mas um passo é sempre bem recebido!
Bjs aos dois

Juliano disse...

Concordo com tudo escrito. Nao vejo problema das guei curtirem a parada para extravar, desde que no limite do socialmente aceitável sem ataque violento ao pudor. Tb existem heteros que nao gostam de carnaval! (sim, existem)
Há uma agenda política nas paradas gays, mas para os participantes isso é o de menos. Poderia ser mais poltizada, mas acho que os participantes usam a oportunidade para se beijarem e se agarrarem na rua legitimamente, o que muitos nao fariam fora de uma parada gay.

Wans disse...

Vc disse muito bem, gato, nós precisávamos ser mais comunidade e menos inveja. E é exatamente isso o que existe entre os gays. Mas eu sou como o edú, acredito nessa utopia de que um dia todos seremos um.

Postar um comentário

BLOG ENCERRADO!

We Love It:

We Love It:

Seguidores:

DPNN no Facebook

Twitter:

  ©Dois Perdidos Na Noite - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo