sexta-feira, 29 de abril de 2011

Por que você é gay?


Vai me dizer que você nunca se fez essa pergunta em algum momento da sua vida? Todos nós a fizemos, quando descobrimos que éramos gays. Logo depois dela vem outra: "por que eu?"

Comigo e com o maridão não foi diferente. Quer dizer, foi diferente na forma com que cada um percebeu. Ele me diz que sempre foi gay, desde muito criança já sabia. Comigo não foi bem assim, só fui perceber algo “diferente” no fim da adolescência, mas não achava que fosse gay de verdade. Minhas “homenagens” durante os longos banhos de adolescente sempre eram dedicadas às mulheres. Eu tenho plena noção do turning point na minha vida. Não foi por nenhum cara em especial: da ideia de prazer que o próprio pênis dava, pela “paixão” pelo próprio órgão, comecei a divagar sobre os pênis alheios. E quando percebi, estava tirando no “par ou ímpar” para saber se “dedicaria” aquela punheta a um homem ou uma mulher. E foi assim, até que a ideia do homem se tornou mais freqüente, e depois, exclusiva. E virou uma tortura, pois eu era capaz de me relacionar com mulheres, mas ficava curioso e com a dúvida: e se eu experimentar e perceber que não é nada disso? E se eu odiar???? Provei e adorei, como vocês bem sabem:

 Não sei dizer se nasci ou se virei gay, ou se apenas descobri algo que já estava lá, adormecido. Sempre que vejo discussões sobre as causas da homossexualidade, fico curioso. Estava lendo um artigo na revista Superinteressante, chamado justamente “Por que os gays são gays?”, que aborda a questão, mostrando o atual estado das pesquisas científicas e esse respeito. Há coisas bem interessantes na busca pelo lado biológico da homossexualidade, além das questões psicológicas e ambientais. O engraçado é que um monte de afirmações que eles fazem não se aplicam ao meu caso.

Uma das mais interessantes:

O psicólogo Daryl Bem, da Universidade Cornell, no estado de Nova York, afirma que os indivíduos são atraídos por outros de quem se sentiram diferentes na infância. Daryl diz que fatores biológicos atuam na formação da sexualidade ao agir sobre o temperamento da criança, predispondo-a a realizar certas atividades mais do que outras.
Assim, um menino que gostar de luta, futebol e esportes competitivos tipicamente masculinos conviverá num grupo com o mesmo perfil. Outro garoto que preferir bonecas e socialização mais calma, tipicamente feminina, encontrará colegas que também preferem a Barbie. Para esse garoto que convive entre amiguinhas e brinca com bonecas, a figura exótica que despertará sua atenção sexual será um menino. No caso de meninas homossexuais, se inverteriam os papéis. "Isso ocorre porque nossa sociedade polariza as diferenças de gênero. Se não as polarizasse tanto, mais homens e mulheres escolheriam parceiros com base em outros atributos além do sexo biológico", diz Daryl.

Eu fui um garoto que gostava (e gosto até hoje) de lutas, esportes competitivos tipicamente masculinos e futebol. E sou tão gay quanto qualquer outro que brincava de bonecas... E me sinto atraído justamente por homens mais masculinos. 

Um dos maiores erros que vejo nestas pesquisas, e na sociedade como um todo, quando o tema é homossexualidade, é que a gente acha que gay é tudo igual, que todos são da mesma forma, só por não serem heterossexuais. É tão absurdo quanto achar que todos os heterossexuais são iguais, só porque são heterossexuais. O universo gay é muito diversificado, e a gente chama todo mundo de “gay” porque é mais econômico do que ficar explicando caso a caso, mas tenho sérias dúvidas se partilhamos realmente de mais coisas entre nós "gays" do que com "os" heterossexuais. 

Uma coisa recorrente nestas pesquisas é relacionar ser gay com ser um homem mais parecido com uma mulher, até mesmo biologicamente. Para alguns casos até pode ser, mas é uma simplificação longe de encontrar respaldo na observação empírica do dia a dia. Tão simplista quanto achar que todo gay adora a companhia das mulheres e venera as divas do pop. Troco tudo isso por 22 marmanjos correndo atrás de uma bola. 

Para a bióloga Joan Roughgarden:

"A homossexualidade é um traço natural que mantém indivíduos unidos através do contato. Para ela, não há diferença entre jogadores de futebol que se tocam para funcionar melhor como equipe e duas pessoas que se acariciam intimamente. "Estamos muito preocupados com o contato genital, mas tudo não passa de intimidade física".


Mas eu juro que, no meu caso, era só pelo esporte mesmo. 


Leiam lá o artigo na íntegra, no site da revista. É só clicar aqui

E aproveito aqui para deixar a pergunta: por que você é gay?

Ps. bom final de semana, e façam como a gente: divirtam-se sem moderação!

14 Comentários:

melo disse...

acho meio simplista essa explicação que você citou aqui e até meio estereotipada, não?

eu era mais quieto e mais 'delicado' e acabei sim me encaixando, digamos, nessa teoria mas penso que, como você mesmo disse, ser gay é muito mais do que essa definição de gêneros e papéis.

acho mesmo que biológica e geneticamente somos feitos assim o que varia é que uns aceitam e abraçam essa condição e outros jamais o farão e passarão a vida no fio da navalha ou até mesmo convivendo bem com a chamada bissesxualidade se é que isso é possível.

eu sempre fui gay, nasci gay e desde pequeno me interessva mais por pintinhos que por xaninhas, acho que meu post de hoje vai por aí.

não me descobri gay, eu já era gay e apesar de ter algumas das 'tags' como detestar esportes por exemplo não me encaixo no quesito divas e penduricalho de racha.

nosso universo é tão ou mais rico e extenso que o hetero talvez, será que arranhamos ao menos a superfície?

Serginho Tavares disse...

Assim como o melo disse, eu também não me descobri gay. Sempre detestei esportes mas acho que isso fez parte da minha nerdice porque muitos dos meus amigos que também não gostavam até agora continuam heteros...

Diego Hatake disse...

Comigo aconteceu assim... Quando pequeno eu era mais chegado a coisas ditas femininas: detestava futebol, gostava de músicas ditas "pra garotas", gostava de desenhar roupas para as bonecas da minha tia (que por ter apenas 10 anos a mais que eu fomos criados como irmãos) e colocava os meus bonecos soldados que ganhei da minha mãe pra namorarem! HAHAHAHAHAHA!
Quando cresci naturalmente passei a ter mais interesse pelo o que os meninos gostavam. Passei a gostar de Pokémon, jogava RPG... E passado tempo além da escola, quando começava a me tornar mais maduro, me interessei naturalmente por coisas como hóquei no gelo, filmes de artes marciais... Claro que com o tempo passeia observar também o corpo masculino dos artistas marciais e esportes XD mas aconteceu de modo bem descomplicado, sabe? E até achei que meu caso é meio inverso da maioria que diz ter começado "machão"... Pra comprovar que até mesmo gays são subjetivos, nenhuma pessoa é igual a outra mesmo, fato.

Lobo disse...

Superinteressante? Sério?

Please, queima essa revista. É uma piada completa em termos de divulgação científica. Além de sensacionalizar demais as coisas e criar uma idéia finalista em coisas para as quais não existem respostas, ainda apresenta os dados de forma tão distorcida de chega a dar agonia ler.

Eu comprei duas vezes, e as duas vezes tive vontade de queimar a revista, de tanto ódio que me deu do descaso.

Existem diversos trabalhos muito bons sobre as teorias das origens evolutivas da homossexualidade, inclusive uma tese que gosto muito, que trabalha com a teoria de que seria um fator que surgiu entre os mamíferos possibilitando que existissem membros dos grupos que não gastassem energia com a reprodução da espécie, estando mais disponíveis para caçar, cuidar da cria alheia ou proteger o grupo.

Mas enfim. Eu sempre fui gay.

Edu disse...

Tb sempre me soube gay. Sem muita aptidão nem gosto pra esportes (vôlei até que ia... alguma natação...) mas não brincava de boneca. Brincava de "hominho" (playmobill, falcon, super-heróis...). E concordo que deva ser um erro achar que um ou múltiplos fatores agem da mesma forma, na mesma idade pra todos. Deve ser um pouco mais complexo que isso.

Paulo Braccini disse...

Eu sempre soube ... a vida de todos nós é bem semelhante ... o problema foi só de aceitação própria frente ao mundo ... até 24 anos vivi meio q no armário mas aí saí definitiva e amplamente ...

Dan disse...

Quando tomei consciencia das coisas, percebi que sempre fui gay, mesmo tendo achado um dia que eu era apenas diferente.
Acho que ser gay é multifatorial. Acredito que temos uma predisposição genética, também passamos por situações que nos influenciam na infância e ainda, pra finalizar, temos coragem de experimentar.
Enfim, ser gay é muito mais complexo do que o simples fato de termos preferencia.
Mas, ao mesmo tempo, é tão natural e evolutivo como qualquer outra coisa do 'mundo animal'. Que tal controle de natalidade?

Muitas coisas podem causar nossa orientação sexual, mas nenhuma delas dá motivo pra sermos tratados com diferença.

bjo casal!

Gui disse...

Também acho que sempre fui, embora também tenha passado pela fase de transição.

Apesar de odiar futebol (porque eu era péssimo e não pelo gosto do esporte em si), adorava brincar de lutinhas (e não era para acariciar os outros não) e outras coisas típicamente masculinas.

Pra variar, essas coisas não encontram muita correspondência realmente.

Beijão

Wans disse...

Sempre soube que era gay. Nasci gay e o fato de querer sempre brincar com as meninas, mas olhar os meninos já era claríssimo. Felizmente o medo de sê-lo se foi e o orgulho se tornou o que sou hoje.

Junnior disse...

Sempre curti esportes radicais, mas nunk gostei de futebol, por exemplo.
Eu acho assim, se falarmos de indivíduos gays, "cada um é único e inteiro; complexo e falível. Cada um com sua religião, cor e profissão", como está escrito lá na postagem de hoje do blog - um texto que resumi e adorei sobre o trabalho do fotógrafo Scott Pasfield.
E, como está também lá escrito: entre nós "se extrai a única caracterísitica em comum: a homossexualidade".
Sempre fui gay.
Bom fimde.

..::voy::.. disse...

existem gays e gays! assim como você mesmo disse, existe uma diversidade gigante dentro do rótulo 'gay'...
pq sou gay? whatever... pq não sou hetero???

abraços do voy

Anônimo disse...

Interessante que você "homenageava" as mulheres durante seu banhos kkk.É por isso q não sou heterofóbico, imagina se um dia durante minhas homenagens comece a aparecer mulheres em vez de homens no meu pensamento kkk Eu não sei se por influência do meio que é heteronormativo ou se eu curtia mesmo, mas quando eu era crianças eu juntava as propagandas das playboys que saiam em outras revistas e montei um caderninho com essas capinhas, mas também já sentia o desejo por homens. Já me considerei bissexual, mas quando beijei mulheres nunca senti nada. Nunca beijei homens mas sei q é minha praia.

Anônimo disse...

Sou eu de novo, o anônimo do dia 1 de maio. Vou dar informações que não são importantes, mas interessantes. Ao contrário do Lobo eu assino a super, claro que a revista não é perfeita, e apesar de ser tendenciosa eu gosto. Foi a partir da edição dessa matéria que eu me interessei mais pelo assunto sexualidade. Então outras coisas que foi procurar depois de ler foi sobre a bióloga Joan Roughgarden e descobre que ela é uma transsexual homem para mulher e ela também fala de como suas teorias ficaram menos respaldada por ela agora ser mulher, porque quando ainda era homem ela dizia que era mais respeitada pela comunidade científica/acadêmica. Também adorei a camisa do cara da 1 foto, quando tiver coragem vou comprar uma e usar kkkk.
Adoro o blog de vcs e tbm leio a veja (mas tem vezes que ela é tendenciosa, não é parcial).
Abraços

varzo disse...

daqui a pouco vão perguntar "por que sou hétero"? Cada um tem sua história, mas confesso que morro de preguiça deste tipo de indecisão. Como um grande amigo meu diz, para que rótulos se passamos a vida toda fugindo de um?

Postar um comentário

BLOG ENCERRADO!

We Love It:

We Love It:

Seguidores:

DPNN no Facebook

Twitter:

  ©Dois Perdidos Na Noite - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo