sexta-feira, 16 de julho de 2010

Crônicas Vampirescas: uma sugadinha, por favor!

Sempre fui um grande fã de histórias de vampiros: no cinema, na literatura, na música, as sanguessugas sempre estiveram presentes no meu imaginário. Quando criança, adorava ler a série infantil "O Pequeno Vampiro". Até hoje me lembro de ver, morrendo de medo, filmes como "A Hora do Espanto", "Os Garotos Perdidos" e de como quase perdi o sono após ver "Nosferatu", na versão expressionista do alemão Murnau, numa madrugada dos distantes anos 80.

Mas nada disso supera o papel que o romance Entrevista com o Vampiro, da americana Anne Rice, teve na minha adolescência. Li quando tinha 12 anos, em um único dia, e fiquei absolutamente maravilhado com aquela narrativa melancólica - e ao contrário das tradicionais histórias como Drácula, aquela era totalmente carregada do mais mórbido homoerotismo!
.
A trágica história de Louis de Pointe du Lac, transformado em vampiro, mas ainda mantendo seus sentimentos e culpas dos tempos de humano, o terrível destino da garotinha Cláudia e o sedutor Lestat de Lioncourt me pegaram de um jeito como nenhum livro havia feito até então - e ouso dizer, nenhum outro o fez depois.
.
Quando lançaram o filme, fui ver no dia da estreia e sai decepcionado, uma parte que me agradava muito no romance, a viagem de Louis e Cláudia até a Europa fora cortada! E embora as cenas no Teatro dos Vampiros tenham sido lindas, faltava ao filme toda aquela amargura contida no livro, além de toda a tensão sexual entre Louis e Lestat. A fotografia e a direção de arte compensam, entretanto:

Na época em que li o livro, internet era obra de ficção científica, e eu nem sabia que na verdade os personagens faziam parte de uma série de livros. Quando descobri o livro "O Vampiro Lestat", segundo volume das Crônicas Vampirescas, foi como rever velhos conhecidos!
.
Há passagens no livro que estão entre as mais belas que já li, em especial as cenas em que o jovem Lestat, ainda em vida, fica maravilhado, bebendo com seu "amigo" Nicolas, enquanto este toca violino. A química entre os dois, as confidências, o modo como compartilham aqueles momentos juntos, com toda a carga homoerótica, culminando com os dois decidindo fugir juntos daquele mundo... poucas vezes vi uma descrição de um amor gay como naquelas páginas! E para aquele adolescente trancafiado em seu armário que eu era, os livros de Anne Rice eram uma válvula de escape perfeita para um mundo novo.
.
Mais do que a música do The Sisters of Mercy ou Type O' Negative, minha maior ligação com a cena gótica era o interesse pelo tema do vampirismo. Nunca fui maluco de me achar um vampiro ou sair por aí bebendo sangue - era época da epidemia da AIDS, não se esqueçam! - meu interesse era meramente artístico.
.
Hoje em dia não tenho mais o mesmo interesse pelo tema, as criaturas da noite que me interessam são outras, não li todos os volumes das Crônicas Vampirescas e acho que nunca vou ler, mas é engraçado ver que os vampiros voltaram com tudo nesta década. Nunca li algo da série Crepúsculo, não sei se são bons, mas gostei do primeiro filme. O segundo achei muito ruim e não tenho muito interesse em ver o terceiro, mas acabarei vendo em algum momento.
.
Bom final de semana a todas as criaturas da noite...

5 Comentários:

Fernando L disse...

Leitor novo

Vampiros sempre mexeram com meu imaginário, são seres extremamente misteriosos. Nunca li entrevista com o vampiro, mas o filme me faz suspirar, hehe

Meu contato com o tema se deu pelo RPG Vampiro: A Máscara. Não é esses rpgs virtuais, e sim encontrar o povo, fazer seus personagens e começar a interpretar seu vampiro, ir construindo sua história e passando por todo o clima das cenas, hehe

Enfim, bons tempos, talvez o charme deles tenha feito eu me sentir seduzido pela cena gotica até hj, hehe

abs

MENEZES disse...

Estou distribuindo uma planilha EXCEL com 155 nomes de políticos, com acusações ou crimes a que respondem, por partido, estado, etc.! Já repassei para toda a minha lista de e-mail, e ando com algumas cópias, do meu estado (RJ), que entrego para as pessoas que não têm acesso a internet. Se estiver interessado (a), entre em contato! Pior do que querer fazer e não poder é poder fazer e não querer! Grande abraço! Precisamos mostrar aos tolos, em quem não votar! SE CADA UM DE NÓS ENVIAR ESSA LISTA PARA 10 AMIGOS E TODOS TIVERMOS CONSCIENCIA, EM 6 RODADAS TEREMOS DIVULGADO A 1.000.000 (HUM MILHÃO) DE BRASILEIROS. Por favor, gente vamos espalhar esta relação para o maior número de pessoas que pudermos. Estou fazendo a minha parte... Somos 45 Milhões de Internautas, 15 Milhões em Banda Larga!

Jean Borges disse...

Sempre curti o lado misterioso da vida...histórias de vampiros e outros seres mágicos me encantam a tanto tempo q não consigo lembrar...
Os vampiros sempre foram criaturas que me atraíram e me afastavam ao mesmo tempo...Como o Fernando já joguei Vampiro:A Máscara e amava...
Mas o post me inspirou de outra forma...me lembrou das Crônicas Vampirescas e que eu ainda precisava fazer essa leitura...Uma boa idéia para o tédio dessas férias!!!
Abraços!!!

Lobo Cinzento disse...

Eu tenho pena de todos os vampiros clássicos depois da saga crepúsculo...

Um monte de jovens crescendo achando que vampiros brilham no sol e são tão ou mais fortes que lobisomens...

Wans disse...

Olha, confesso, ao ler o Vampiro Armand, não consegui chegar ao final. Eu gostei do clime homoerótico que havia na obra, mas algo ali me cansava muito e decidi desistir. Nunca mais li nada de Anne Rice.

Gosto muito de True Blood, A Gora do Espanto, Drácula de Copolla e Garotos Perdidos.

Postar um comentário

BLOG ENCERRADO!

We Love It:

We Love It:

Seguidores:

DPNN no Facebook

Twitter:

  ©Dois Perdidos Na Noite - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo