domingo, 18 de julho de 2010

Sobre o Casamento Gay e a Desconstrução da Heteronormatividade


Por conta da aprovação do casamento gay na Argentina, tenho pesquisado a respeito e ontem, conversando com o maridão, vimos que o assunto está na boca de todos. Ele se mostrou surpreso ao ver conhecidos (e alguns familiares) que não sabem de sua orientação sexual se dizendo totalmente favoráveis ao tema e demonstrando espanto com o atraso de nossa sociedade. Pesquisando a respeito e vendo o quanto os heterossexuais estão se mostrando a favor, não é que descobri que uma parte da militância gay é contra a aprovação do casamento gay? Fiquei curioso e fui tentar descobrir a base para a argumentação.

A tese principal destes grupos é a de que o casamento é uma instituição conservadora, burguesa e reacionária ligada à heteronormatividade. Sendo assim, o casamento não combinaria com o modo de vida gay. Para eles, o homossexual teria a prerrogativa política de lutar para desconstruir a heteronormatividade e propor um novo modelo baseado em outros paradigmas. Em outras palavras: gay é promíscuo e esse papo de monogamia é coisa de hétero careta.

Muito me irrita estar numa balada ou bar e ver que as pessoas não respeitam nem o fato de você estar acompanhado e darem em cima na cara dura, como se todo gay não respeitasse o “casamento” e fosse aceitar a investida. Duvido que um hétero cante uma garota na frente de seu namorado, por exemplo. Faço questão de deixar clara minha desaprovação quando isso ocorre, e se necessário, desço do salto e faço um barraco...rs... mas estou me desviando do assunto.

Acho que esse discurso de “desconstrução da heteronormatividade” - que inclusive estava no famigerado III Plano Nacional(socialista) de Direitos Humanos - gera mais a homofobia do que a combate. O fato de ser gay não implica em me opor à sociedade! O fato de eu ser gay não implica que eu tenha algo contra a heterossexualidade alheia. Não quero um mundo só para os gays, quero mais é que os héteros continuem héteros e que os gays continuem gays e que todos convivam no mesmo mundo, sem que a orientação sexual seja um empecilho - ou o único motivo a permear as relações.

O desejo de compartilhar uma vida com quem você ama é incompatível com “o modo de vida gay”? Conheço bons casais que dirão o contrário. Estou com meu parceiro há quase 10 anos, nunca o traí - e não o fiz por obrigação ou porque ele me mantenha numa coleira 24 horas por dia. Muito pelo contrário.

Aprovado o casamento gay, ele será uma opção, e não uma obrigação! Quem quiser se casar, terá o direito à escolha. E quem quiser viver de outra forma, também poderá. O que não dá é para querer impor regras e padrões de comportamento para indivíduos com necessidades, anseios e valores tão diferentes. Falamos muito sobre diversidade, está na hora de deixar de ser apenas um slogan.

Obs. A imagem que ilustra o post é um álbum duplo chamado “Marry Me” com canções celebrando as diferentes formas de amar. Saiba mais aqui.

7 Comentários:

Jean Borges disse...

Gostei da parte do barraco...rs
Compartilho o ponto de vista, realmente o casamento deve ser visto como um direito e defendido por todos nós, para que seja usado por quem quiser!!!
Enquanto mantermos o estereótipo do gay promíscuo como imagem do movimento, definitivamente não teremos o respeito de ninguém!!!
Abraço!!!

Fernando L disse...

Acredito que qualquer movimento ideológico se perde quando esquece que o foco é a liberdade. Percebo que isso sempre surgiu em diversos movimentos: feminista, trabalhista e etc.

Enquanto gay só sei que quero poder escolher o que quero da minha vida, quero igualdade, e que o preconceito (seja homofobia interna ou externa) seja combatida

Abs

Wans disse...

Eu quero casar! Quero muito. Quero poder dividir com o Melo tudo o que os héterossexuais já dividem. Tem gente que não tem essa necessidade, mas eu tenho! Espero que consigamos em breve.

Lobo Cinzento disse...

Sempre tem os que são a favor e contra dentro de um grupo supostamente homogêneo. Cada cabeça é uma cabeça. Mas é bem por essa idéia de igualdade de direitos que a gente tem que trilhar mesmo. De direitos, não de comportamento e orientação, tem mais é que ser uma miscelânia mesmo neste aspecto XD.

S.A.M disse...

Gostei tanto quando vi que você tratou desse assunto! Tem gente que é contra o casamento mas quer fazer descer guela abaixo a todos isso, aí não é certo!

Beijao!

dogmanstar disse...

santa cassandra rios!
escrevi hoje sobre isso e é quase igual ao que você escreveu aqui e só li agora.
de certo que parte de nós pensa mesmo em desconstruir o modelo papai/mamãe e até entendo isso de certa forma posto que é uma padrão que, a grosso modo para expor aqui, não pdoe nos servir de modelo pois temos um estilo de vida diferente.
mas acho que levam isso para a alcova quando deveria ficar na esfera afetiva e de identidade social mas também é impossível impedir que o movimento se fragmente posto que cada grupo ou um deve ter sua interpretção dos 'evangelhos'

Anônimo disse...

Gays não são perseguidos por serem promíscuos, gays são perseguidos por serem gays.

Postar um comentário

BLOG ENCERRADO!

We Love It:

We Love It:

Seguidores:

DPNN no Facebook

Twitter:

  ©Dois Perdidos Na Noite - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo